2 de abril de 2011

A Literatura infantil: um encontro com a oralidade



Por: PAULA IVONY LARANJEIRA


Sempre que falamos em literatura infantil, pensamos logo em um monte de livros cheios de “Era uma vez”, “Num pais distante”, e “Viveram felizes para sempre”, com ilustrações coloridas, muitas vezes tão detalhistas que “até” impedem a criança de ela mesma criar seu mundo encantado. Por tal, este texto mais do que pressupostos teóricos apresenta o universo literário oral, muitas vezes, ignorado, mas não desconhecido de muitos não-intelectuais. 

Quando sentados com alguns grupos, nas recordações dos tempos de meninice, é comum que façamos um tur pela infância em busca de livros infantis que tenhamos lido. Conheço gente que leu muitos livros e outros que leram poucos, conheço gente que podia comprar e outros nem ousavam pensar nesta possibilidade – na qual me encaixo –, conheço gente que fazia de tudo para ler um livro e outros que faziam de tudo para não ler, mas também conheço gente que mesmo sem ler nas páginas coloridas ou sem cores, páginas com cheiro de novo ou cheiro de mofo de um livro, não foram privadas da literatura infantil. Como? 

Vou falar de uma gente do sertão, que na infância ouvida muitos causos. Aqui, e imagino que o mesmo se dê em outros lugares, é preciso bons escutadores para que os causos comecem a se desenrolar, igual a novelo infinito, pois um causo puxa outro. Sim, porque se o sertão amadurece precocemente muitas crianças pelo sofrimento, ele também serve como pano de fundo e matéria prima para muitos contos infantis que embalam por vezes o sono, os sonhos e a construção identitária das muitas crianças que ali nutrem suas alegrias e um infinito de possibilidades imaginárias.

Quando criança, não tive muito acesso aos livros. Mas nunca faltaram histórias a povoar meu imaginário, pois se livros eram coisa para quem tinha dinheiro, mãe ou avó contadora de histórias era para todo mundo. Assim acontece com muitos que não tendo livros tem avós, pais, irmãos e amigos narradores. E isso nos permite o contato com os contos populares, adaptados, muitas vezes, às necessidades do adulto para com a criança. As mães e avós quase sempre nos reservam contos de encantamento, moralizantes e/ou religiosos; os pais e avôs se encarregam dos contos moralizantes e terror; os irmão ou amigos ficam com os de terror e os humorísticos. Sem contar as sagas de família que também integram a colcha de retalhos da literatura infantil via expressão oral. Nesse sentido, Capek corrobora,

"Um verdadeiro conto de fadas popular não se origina no momento em que o estudioso de folclore o colige, mas ao ser contado por uma avó para seus netos (...) Um verdadeiro conto de fadas, um conto de fadas dentro de sua verdadeira função, existe dentro de um círculo de ouvintes "( apud RADINO, 2001, P.75).

E é justamente este sertão e sua literatura, cheio de cantos, contos e encantos, que permitiu ao poeta e folclorista Marco Haurélio, exemplo frutífero de ouvinte e contador de causo, que seguisse os passos dos Irmãos Grimm, bem como os do Câmara Cascudo, recolhendo um infinito de riquezas guardados e repassados pela gente da terra aos pequenos, e  agora eternizados em Contos Folclóricos Brasileiros. Neste livro encontramos uma variedade de contos que se espalham pelo sertão através das correntes orais, em sua maioria, representada por mães, que sem ter outra forma mais didática de educar os filhos, lhes contam histórias para que inspirados nelas e através das ações das personagens e do desfecho, escolham suas ações  no decorrer da vida.

Como Haurélio enfatiza, aqueles textos não saíram de sua imaginação criadora, muitos daqueles contos ouviu ainda na infância de sua avó, de seu pai e de sua tia, outros ouviu de sábios narradores, a quem creditou todos os contos mesmo sabendo que não são autores, isto porque a autoria já se perdeu no tempo, fator necessário, como afiançar Câmara Cascudo, para o popular:

"É preciso que o conto seja velho na memória do povo, anônimo em sua autoria, divulgado em seu conhecimento e persistente nos repertórios orais. Que seja omisso nos nomes próprios, localizações geográficas e datas fixadoras do caso no tempo. "(2004, p.13 apud LOYOLA, 2008, P. 23).

É interessante observar que neste livro, Haurélio possibilita ao leitor compreender que estas histórias, perpassadas pelos narradores do sertão da Bahia via oralidade às crianças/adultos, quase sempre tem a mesma raiz de contos de fadas de Perroult, Andersen, Irmãos Grimm, entre outros. Contos estes que foram se modificando, sofrendo alterações. Isto porque não havia nas camadas populares o registro escrito, pois a transmissão se dava via oralidade, fazendo com que as histórias sofressem adaptações que muitas vezes, as deixavam menores, maiores, com a junção de dois enredos num mesmo causo ou se dividindo, gerando dois causos.

Além disso, é possível perceber nos contos maravilhosos de autores tradicionais que as histórias se passavam num ambiente diferente dos nossos, já nos contos populares, a semelhança com o meio é o grande atrativo, pois há sempre a inserção de elementos comuns ao grupo transmissor na história narrada. Eis o grande diferencial.

Na tentativa de entender mais a relação e/ou disparidade entre a literatura infantil e o conto popular, foi necessário percorrer o caminho trilhado pela literatura infantil, no qual  encontramos duas formas corpóreas: a literatura “culta”, baseada na escrita; e a literatura popular, com base na oralidade. Porém, estes corpos distintos, aparentemente, se valem um do outro para manter certo equilíbrio, pois um bebe na fonte do outro.   Nesse sentido, há uma interdependência entre eles. O que não se entende é por que há um sentimento de menosprezo para como a literatura popular, especificamente a oral.

Consta que antes do século XVII, existiam poucos livros, e as histórias eram todas guardadas na memória e contadas para grupos de pessoas das mais variadas etnias e culturas. Mas motivados pelo interesse das crianças e por necessidades didáticas, alguns pesquisadores, como é o caso do Irmãos Grimm no século XIX, recolheram os contos da oralidade e registraram através da escrita em livros. Portanto, torna-se necessário salientar que os contos maravilhosos que conhecemos hoje têm início no século XVII com a “invenção” da infância. Antes disso, os contos pertenciam à cultura popular e eram compartilhados entre adultos via narrativa oral. Porém, com a criação da imprensa e a crescente valorização da escrita, houve um crescente apego às histórias escritas, tida como sinônimo de erudição. O que não era registrado através da escrita, mas transmitido via narrativas orais passava a se referir a algo popular, e, por tal, sem prestígio. 

Assim sendo, percebe-se que mesmo não tendo acesso aos livros, esses não-leitores não eram privados do contato com o mundo encantado do faz de conta contido na Literatura Infantil, pois sempre havia/há um narrador experiente para este oficio. Pode ser um narrador sedentário ou viajante, como caracteriza Walter Benjamim no texto em que fala de Lescov. Sempre há sempre uma situação ou momento propício para que uma história-conto-causo nasça, basta um narrador, uma criança e/ou um grupo de crianças ou até mesmo adultos, para que se descortine para o leitor-ouvinte um mundo maravilhoso, pois quem não gosta de ouvir alguém contar uma história jurando que é/aconteceu de verdade? 
 

Este texto também está publicado em Palavra Fiandeira, edição 59
Agradeço ao Marciano Vasques que ao me convidar para escrever para a revista , sempre me permite novos desafios, novos temas e muitas reflexões. Amigos passem na Palavra Fiandeira e confiram outros textos e outras temáticas.

6 comentários:

BLOG DO PROFEX disse...

Paula, o texto apresentado foi muito bem costurado e informativo. Um primoroso histórico da literatura infantil, da oralidade à escrita. Excelente, Parabéns...

Drika disse...

Oi Paula... que bacana seu texto! Bons escutadores é o que falta também para a oralidade não se perder =)
Parabéns!
Bjo no coração!

CESAR CRUZ disse...

Paula,

Que aula! Obrigado. Para mim, que sou pai de uma de 3 anos, um artigo como este teu tem um valor inestimável.

bjo grande
Cesar Cruz

Lindy Cardoso disse...

Flor, estou neste rol de crianças que tiveram contato c a oralidade, mesmo q em pequenas gotas. Por este motivo, hj ainda me encanto c a literatura contada por minha vó e outros estimados sertanejos.
Bj

Tais Luso disse...

Paula, não poderia ser melhor este teu texto sobre literatura infantil.

A uma certa altura do desenvolvimento da criança, temos de respeitar sua vontade, suas escolhas; é preciso saber o momento de lhe dar esta liberdade, caso contrário, teremos mais um adulto sem ter intimidade com a literatura. E falando em escolhas... A escola deverá fazer o mesmo: deixa que o aluno escolha, não tentar incutir os 'clássicos' a uma criança na pré-adolescência quando, o interesse dela esta voltado a outro tipo de literatura. Mais tarde, com o hábito já formado, ela saberá lapidar seu gosto.

A escola é a mola mestra; é nela que depositamos esperanças e mudanças. E cabe aos pais ajudar a incutir o hábito nas cabecinhas em formação; manter o elo, dar continuidade, estimular. O hábito da leitura deve começar na infância.

Se ficarmos pensando que somos um país em desenvolvimento, que os livros são caros, que o analfabetismo é enorme, que as crianças não são estimuladas à leitura, que as famílias têm outras prioridades, bem... então nada mais a fazer. É deixar como está pra ver como é que fica. E vai piorar, uma vez que a educação é primordial para o desenvolvimento e a educação de um povo. E sendo mais esclarecidos, seremos mais qualificados, teremos mais oportunidades de trabalho, e consequentemente seremos mais felizes, aptos a cuidar mais de nossa saúde e de nossas famílias. É lendo que se aprende, que se cresce, que se conquista; que saímos da ignorância para um mundo mais aberto e de mais qualidade.

Belo texto.
Um beijo a você e parabéns ao Marciano por levar este assunto ao Palavra Fiandeira.
Tais Luso

Natural.Origin disse...

Livros...

Sorriso;)