8 de janeiro de 2010

Via crucis



"Que se ria

Do pranto

Para meu acalanto

Balsamo insano

Dos que a vida

Sem vida vivem

Que se ria

Desta agonia

Sem forma

Sem emoção

Tristemente saudosa

Invadindo como onda

A praia dentro de mim

Que se ria

Do grito

Calado pelo olho

Ele sempre de soslaio

Inquirindo os desejos

Devorando-os

Como aranha

Que imobiliza a presa

Na teia

Presa fácil

Imóvel dentro de mim

Em mim

Nas rodas dos passos

Que se ria

Do pranto

Da agonia

Do grito

Imóvel dentro de mim"


* Paula Ivony Laranjeira *

9 comentários:

b disse...

" de soslaio".
Lembro que minha vó, muito vivida não apenas pelo tempo mas por experiência, dizia que não confidenciemos jamais nossos desejos a quem os olha de soslaio.
Não sei se é verdade - mas seu poema sugere que é sim...

Nilson Vellazquez disse...

Adorei!

Filipe M. Vasconcelos disse...

Façamos então do pranto, o riso..
Da agonia, a alegria..

Podemos fazer isso através de suas palavras, Paulinha...

AFRICA EM POESIA disse...

saudades

BOM ANO

Rugido

Rugido forte
Rugido de Leão...
Leão verde, castanho ou amarelo
Animal...Rei...
Rei da selva...
Rei do Mundo...
Fazes inveja...
Fazes sofrer...
Mas és o nosso símbolo...
Símbolo nobre e corajoso...
E por isso...
Nós sofremos contigo...
Gostamos de ti...
Quando ganhamos...
E quando perdemos...
E no perder...
Ainda te queremos mais...
Pois aí sentimos o carinho...
De te confortar...
De te pagar devagarinho...
E dizer-te baixinho...
Amanhã, vamos ganhar!...

LILI LARANJO

transfusões .:. disse...

Seja sempre bem-vinda,Paula! Ler seus escritos revigora minh'alma. Gostei muito daqui :)

Fernanda Fernandes Fontes disse...

Que lindo poema, Paula! Tem um ritmo maravilhoso...

Bjs

Rogério Soares disse...

Belo poema, parabéns...

Elisangela disse...

Lindo, sensível, real. Parabéns poetisa, amei visitar o pesponteando!
Elisângela Alves-Caculé-BA

Anônimo disse...

que merda de poema!