2 de setembro de 2009

muito além




Um dia vou querer ser criança
me dedicar a fazer lambança
correr, pular
comer doce na panela
e mingau de milho também

Um dia vou gritar aos quatro ventos
o que calo aqui dentro
por que eu?
por que não eu?

Um dia vou dançar na chuva
como fez Don Lockwood
molhar, subir, descer
e cantar, e gritar

Um dia vou falar a verdade
e todos dirão que sou louca
trarão guilhotina
trarão vinagre

Um dia vou poetizar
versos rimados
que todo amor cantará
E Camões...Amor é fogo
que arde e não se vê

Um dia, não mais que um dia...

Alguém se lembrará...

Que nasci, vivi e sobrevivi

Um dia saberão que fui amada intensamente
por pequenos anões
que nasceram de mim


-Paula Ivony Laranjeira-

12 comentários:

Filipe M. Vasconcelos disse...

O dia em que vc irá poetizar já ocorreu.. e seu poema expressa o nascimento, a vida e a sobrevivência.
Que belo poema, senhorita..!
Um beijo de quem lhe admira..!!

Lago Mudo disse...

Aqui entrei e li memórias da minha própria inocência... estava mesmo a precisar, obrigado.

Georgio Rios disse...

Estes teus versos de lírca e brumorosa poesia estão sempre reverbernado aqui!!!!

Léo Metallica disse...

De criança, a criança.

A alegria de ser criança, continua enquanto adulto, e prolonga-se com o nascer da vida.

Não deixemos de ser criança. Ademais... nossas crianças só serão crianças se nós formos crianças também.

Direto do Rio.
Beijos.

Renata de Aragão Lopes disse...

É sempre bom viver
de alguma meninice...

Um beijo,
doce de lira

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

Desde mis --- HORAS ROTAS ---

y --- AULA DE PAZ ----

TE SIGO --- PESPONTEANDO ---










. comparto tu blog

con un fuerte abrazo y

Saludos cordiales de amistad:




afectuosamente :
PESPONTEANDO






jose

ramon…

Anônimo disse...

Tão grande amiga...

que nossa criança interior jamais desapareça ..

que ela sempre apareceça com seus rompantes inesperados e nos encha de vivacidade ...de vida fresca e atenue a nossa coroida maturidade..

bjusss muitosss

By Marcondes Dantas

Paula Laranjeira disse...

Meu ego fica relaxado com tantas massagens...É bom receber a visita de pessoas como vocês...Voltem mais vezes para acrescentar mais retalhos...Abraços

O Profeta disse...

Troquei as voltas a um Golfinho feliz
Afagei a cria de uma Baleia azul
Confundi uma nuvem com ilha encantada
Perdi-me na rota entre o Norte e o Sul

Aprisionei o olhar de uma gaivota
Enchi a alma com penas de imensa leveza
Enchi o coração de doce maresia
Adormeci nos braços da incerteza

Vem viajar comigo no meu barco de papel


Boa semana

Doce beijo

~PakKaramu~ disse...

Visiting your blog

AFRICA EM POESIA disse...

acabei de chegar.
O médico deu ordem para escrever
agora vou começar a
girar por aqui.
porque este meu poema é mesmo um dos meus favoritos eu deixo com um beijo

VELHO


Ser velho
E ser sábio...

Será bom ser sábio?
Será bom ser velho?

Eu preferia...
Não ser sábio
E não ser velho...

Queria ficar...
Não queria ir...
Mas vou...

E vou ficar velho...
E vou-me embora...

Só não saberei...
Se realmente...
Chegarei a ser sábio...

LILI LARANJO

Dolores Oliveira disse...

Preciosidades de Paula. Eu que tive a honra de conhecê-la pessoalmente já não me surpreendo com suas criações. Prossiga sempre amiga. Beijos carinhosos.